Palestrantes

Convidado de honra

IvoIvo Mesquita (Brasil) é diretor técnico da Pinacoteca do Estado de São Paulo desde maio de 2012 onde também foi curador chefe entre 2006 e 2012. Pesquisador e curador assistente na Fundação Bienal de São Paulo durante oito anos, colaborou como curador nas 20ª e 24ª Bienais, e foi o curador chefe na 28ª Bienal. Foi professor convidado durante onze anos no Centro de Estudo de Curadoria do Bard College em Nova York, e diretor do Museu de Arte Moderna (MAM-SP) em 1999. Como curador independente colaborou e desenvolveu projetos curatoriais em várias instituições internacionais; curou o pavilhão do Brasil nas Bienais de Veneza de 1999 e 2009; e foi um dos curadores no projeto binacional InSite de 1997 e 2000, em Tijuana, México.


Palestra de abertura

Peter Osborne (Inglaterra) é professor de Filosofia PeterModerna Europeia e diretor do Centre for Research in Modern European Philosophy (CRMEP), na Kingston University em Londres, e editor do jornal britânico Radical Philosophy. Foi um dos curadores da série de palestras que compunha a Representação Norueguesa na Bienal de Veneza de 2011. Seus textos de catálogos incluem contribuições a Manifesta 5, Tate Modern, Bienal de Sidney, entre outras importantes instituições e eventos culturais do mundo. Suas publicações incluem The Politics of Time: Modernity and Avant-Garde (1995; 2011), Philosophy in Cultural Theory (2000), Conceptual Art (2002) e, mais recentemente, Anywhere or Not at All: Philosophy of Contemporary Art (Verso, 2013).


Palestrantes dos painéis abertos ao público

AnaMagalhaesAna Gonçalves Magalhães (Brasil) é docente e curadora do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP) desde 2008. Com mestrado em História da Arte e da Cultura pela UNICAMP e História e Crítica da Arte pela ECA-USP, publicou a tese Claude Monet: A canoa e a ponte pela Editora Pontes, em 2000, e foi autora de um dos textos do catálogo de uma exposição sobre o artista francês Edgar Degas, no Museo Civico di Roma, na Itália. Durante o ano de 2001, foi assessora de cultura da Secretaria de Cultura, Esportes e Turismo de Campinas, quando foi coordenadora da extensão de museus da cidade. Atuou como coordenadora editorial da Fundação Bienal de São Paulo entre 2001 e 2008, e foi assistente de curadoria durante a 26ª Bienal de São Paulo. Foi responsável pela produção dos catálogos das representações brasileiras em Veneza.

 

AnaCohenAna Paula Cohen (Brasil) é co-diretora do PIESP, um programa independente para artistas e curadores de São Paulo, e diretora do projeto Embodied Archeology of Architecture and Landscape (Tel Aviv, 2012-2013; São Paulo, 2014-2016). Desde 2011, é professora convidada no California College of the Arts, em São Francisco. Em 2008, foi co-curadora da 28ª Bienal de São Paulo, ao lado de Ivo Mesquita. Entre 2009 e 2010, foi curadora residente no Center for Curatorial Studies , no Bard College, em Nova York; trabalhou também como curadora assistente no Museu de Arte Moderna de São Paulo (2000-2002), e no Kunstverein München, em Munique, Alemanha. Tem contribuído para diversas revistas de arte e é autora de publicações sobre as obras de artistas como Goldin & Senneby, Gabriel Sierra, Mabe Bethônico, Detanicolain, Renata Lucas, e Cildo Meireles.

 

AnneAnne Szefer Karlsen (Noruega) foi co-curadora do Festival de arte internacional de Lofoten (LIAF 2013) na Noruega, e curadora associada da Bienal de Benim, em 2012. Entre 2008 e o início deste ano foi diretora do Hordaland Art Centre em Bergen, na Noruega, onde também foi curadora de diversas exposições e seminários, além de contribuir ao desenvolvimento do programa de residências e promover artistas como Omer Fast, Renata Lucas, Len Lye e Imre Bukta, por ser curadora das suas primeiras exposições individuais na Noruega. Ela também fundou e ainda atua como organizadora da série Dublett de publicações duplas de livros de artistas e antologia de textos comissionados sobre artistas contemporâneos.

 

AnthonyAnthony Gardner (Austrália/Inglaterra) é professor de história e teoria da arte contemporânea na Universidade de Oxford, Reino Unido, onde ele também atua como diretor do programa de pós-graduação da Ruskin School of Art. Antes de trabalhar em Oxford, Gardner fez pós-doutorado no Courtauld Institute of Art, Londres, em 2010 e 2011, onde trabalhou com Boris Groys e Sarah Wilson no projeto Global Conceptualism, e também no Conselho Australiano de Pesquisa da Universidade de Melbourne, Austrália. Suas publicações, como Mapping South: Journeys in South-South Cultural Relations e Intimate Publics: Art in the Asia-Pacific são principalmente acerca de temas sobre pós-colonialismo, pós-socialismo e a história de exposições e de curadorias.

 

CayoHonorato300Cayo Honorato (Brasil) é pesquisador da mediação cultural no âmbito das relações entre as artes e a educação, professor do Departamento de Artes Visuais da Universidade de Brasília, doutor em Educação e Filosofia pela Universidade de São Paulo e integrante do grupo  mediação extrainstitucional, em atuação nas redes sociais.

 

 

DavidDavid Teh (Singapura/Austrália) é escritor, curador, assessor artístico e pesquisador na National University of Singapore, especializado na arte contemporânea do sudeste da Ásia. Depois do seu doutorado em Teoria Crítica da University of Sydney, ele trabalhou como curador e crítico independente em Bangkok entre 2005 e 2009. Mais recentemente, foi co-curador da 55ª Mostra Internacional de Curtas de Oberhausen, na Alemanha, e coordenador de Video Vortex #7 – conferência internacional sobre vídeo digital ocorrida em 2011, na Indonésia. A sua mostra mais recente, Transmission, está sendo exposta no Jim Thompson Art Center, em Bangkok. Atualmente, vem trabalhando em um livro sobre a arte contemporânea tailandesa, com o título provisório de Present Tense. Teh também é diretor de Future Perfect, uma nova galeria e plataforma para projetos no bairro Gillman Barracks de Singapura.

 

ElviraElvira Dyangani Ose (Espanha/Guiné Equatorial) é professora de culturas visuais na Goldsmiths, da Universidade de Londres, e curadora da 8ª. Edição da Bienal de Arte Contemporânea de Göteborg (GIBCA 2015). Ela foi curadora de arte internacional, na Tate Modern entre 2011 e o início de 2014. Na Tate, ela foi uma peça-chave no desenvolvimento do acervo de arte proveniente da África e da sua diáspora, em colaboração com o Africa Acquisitions Committee. Antes de chegar na instituição, ela foi curadora do Centro Atlântico de Arte Moderna (2004–2006) e do Centro Andaluz de Arte Contemporânea (2006–2008), onde ela realizou várias exposições das obras de General Idea, Viennese Actionism, Alfredo Jaar, Lara Almárcegui, Ábalos & Herreros e Ricardo Basbaum, entre outros. Ela também foi a curadora convidada da Trienial SUD-Salon Urbain de Douala (2010), no Camarões, e diretora artística da terceira edição de Rencontres Picha. Bienal de Lubumbashi (2013), no Congo.

 

FernandoOlivaFernando Oliva (Brasil) é pesquisador, doutorando em História da Arte (ECA-USP), docente (FAAP) e curador, parte da equipe da 3a Bienal da Bahia – É Tudo Nordeste?. Faz parte do Conselho Consultivo do MAM-SP. Atuou como curador em Batalhão de Telegrafistas (Galeria Jaqueline Martins, 2014), O Retorno da Coleção Tamagni – Até as Estrelas por Caminhos Difíceis (MAM-SP, 2012), Cover = Reencenação + Repetição (MAM-SP, 2008), Comunismo da Forma (Galeria Vermelho, 2007) e À Chinesa/À la Chinoise (Microwave, Hong Kong, 2007). Editou a publicação de ensaios e projetos artísticos Caderno Videobrasil – Turista/Motorista (2010). Foi Diretor de Curadoria do Centro Cultural São Paulo e Gerente de Projetos do Paço das Artes, cargo que também ocupou no Museu da Imagem e do Som. 

 

FabioCypriano300x300Fabio Cypriano (Brasil) é doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) com tese sobre a coreógrafa alemã Pina Bausch, razão pela qual viveu três anos em Berlim, na Alemanha (1997 a 2000). É professor na PUC-SP, desde 1995, nos cursos de graduação e pós-graduação lato sensu de Arte: História, Crítica e Curadoria e Jornalismo. Atualmente é coordenador do curso de graduação Arte: História, Crítica e Curadoria. Atua como crítico e repórter da Folha de S. Paulo, desde 2000, colaborando ainda em várias outras publicações nacionais, como ARTE!Brasileiros e internacionais, como Connaissance des Artes (França), Frieze (Inglaterra) e Flash Art International (Itália), The Art Newspaper (Inglaterra) e Atlantica (Espanha). É autor de Pina Bausch (Cosac Naify, 2005), entre outros. Tem participado como jurado de diversos salões e prêmios, e escreveu textos monográficos sobre diversos artistas, entre eles Joseph Beuys, João Tabarra, Rosângela Rennó e Amilcar Packer.

 

LucyLucy Steeds (Inglaterra) é escritora, professora e editora especializada na área de história e teoria de exposições de arte contemporânea. É organizadora da série de publicações Afterall’s Exhibition Histories e co-coordenadora do curso MRes Art: Exhibition Studies no Central Saint Martins, da University of the Arts, Londres. Suas publicações recentes incluem a antologia Exhibition para a série Documents of Contemporary Art (Whitechapel Gallery e The MIT Press, 2014), e o texto principal de Making Art Global (Part 2): ‘Magiciens de al Terre’ 1989 (Afterall Books, 2013). Ela trabalhou anteriormente no departamento de exposições do centro Arnolfini de arte contemporânea em Bristol, Reino Unido, e foi professora de História e Teoria da Arte na Ruskin School of Art, Oxford.

 

ManuelaManuela Moscoso (Equador/Brasil) trabalha principalmente com pensamento especulativo e ações que privilegiam a imaginação. Tanto na coordenação de exposições, como no comissionamento e na instalação de projetos, ela considera a colaboração uma parte intrínseca da sua prática. Moscoso foi a curadora adjunta da 12ª Bienal de Cuenca, no Equador, e, recentemente, de exposições no Brasil, Argentina, Espanha e Estados Unidos. Junto com Amilcar Packer, ela coordenou Typewriter, um centro de programas curatoriais em publicações sobre arte, e com Sarah Demeuse desenvolveu Rivet, um escritório curatorial que investiga os conceitos da implementação, circulação, exercício e ressonância.

 

MarinaMarina Fokidis (Grécia) é fundadora e diretora artística do Kunsthalle Athena, que desde 2010 vem desenvolvendo várias mostras, oficinas, performances e palestras, como This is Not My Beautiful House e This Must Be the Place. Desde 2012, ela também atua como diretora fundadora da publicação bienal de arte e cultura South as a State of Mind; e desde 2013, é curadora adjunta na Fundação Schwarz – Art Space Pythagorion. Entre 2000 e 2008, ela foi co-diretora da Oxymoron, uma organização não-governamental dedicada à promoção da arte visual contemporânea na Grécia e a nível internacional. Marina Fokidis acaba de ser nomeada como curadora chefe do escritório artístico de Atenas na Documenta 14, que acontecerá em 2017. Em 2011, ela foi uma das curadoras da 3a Bienal de Thessaloniki, na Grécia; já comissionou e foi curadora da representação grega na 51ª Bienal de Veneza, em 2003, e foi uma das curadoras da 1ª Bienal de Tirana, na Albânia, em 2001.

 

MartinMartin Grossmann (Brasil) é diretor do Instituto de Estudos Avançados da USP desde março de 2012. Entre 2006 e 2010, foi diretor do Centro Cultural São Paulo, e entre 1998 e 2002, vice-diretor do Museu de Arte Contemporânea da USP (MAC-USP). É o criador e coordenador do Fórum Permanente: Museus de Arte, entre o Público e o Privado, uma plataforma de mediação e ação cultural. Com mestrado na Escola de Comunicação e Arte da USP e doutorado na University of Liverpool, no Reino Unido, vem realizado uma pesquisa na área da transição da cultura material para a cultura da virtualidade e, assim, foi o idealizador e coordenador do primeiro portal da USP na internet (USP Online), entre 1995 e 1998.

 

MoacirMoacir dos Anjos (Brasil) é pesquisador e curador de arte contemporânea da Fundação Joaquim Nabuco, no Recife, onde coordena, desde 2009, o projeto de exposições Política da Arte. Foi diretor do Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães – MAMAM entre 2001 e 2006, e foi pesquisador visitante no centro de pesquisa TrAIN – Transnational Art, Identity and Nation, na University of the Arts London entre 2008 e 2009. Foi curador do pavilhão brasileiro (Artur Barrio) na 54ª Bienal de Veneza (2011), curador da 29ª Bienal de São Paulo (2010), co-curador da 6ª Bienal do Mercosul (2007), e curador do 30º Panorama da Arte Brasileira, do Museu de Arte Moderna de São Paulo (2007). É autor de livros como Local/Global: arte em trânsito (Zahar, 2005) e Arte Bra Crítica – Moacir dos Anjos (Automática, 2010).

 

OvulÖvül Durmusoglu (Turquia/Alemanha) é atualmente a curadora dos programas públicos do Moving Museum Istanbul e trabalha num projeto de pesquisa de longo prazo entre México e Turquia. Em 2013, ela foi curadora do festival internacional de arte contemporânea Sofia Contemporary, na Bulgária, intitulado Near, Closer, Together: Exercises for a Common Ground. Coordenou diversos programas e eventos como membro do Instituto Goethe para o projeto Maybe Education and Public Programs na dOCUMENTA (13). Durmusoglu também colaborou com a curadoria da 13ª Bienal de Istambul em 2013.

 

ReemReem Fadda (Palestina) trabalha como curadora adjunta de arte do Oriente Médio para o projeto Abu Dhabi do Guggenheim desde 2010, e foi curadora da representação nacional dos Emirados Árabes Unidos na 55ª Bienal de Veneza em 2013. De 2005 a 2007, Fadda foi diretora da Associação Palestina de Arte Contemporânea (PACA) e diretora da Academia Internacional de Arte na Palestina, fundada por ela em 2006. Colaborou com a curadoria e com o desenvolvimento de vários projetos, como Liminal Spaces, na Palestina, Israel e Alemanha; Ramallah Syndrome, parte da Palestina na exposição da 53ª Bienal de Veneza de 2009; e como a 3ª Bienal Riwaq, em Ramallah, em 2009. Ela é membro da assembleia geral da Academia Internacional da Arte e do comitê de seleção para o Young Arab Theatre Fund.


Relatores convidados dos workshops

SmoothUgochukwu-Smooth C. Nzewi (Nigéria/EUA) é artista, historiador da arte e curador de arte africana no Hood Museum of Art, Dartmouth College, Hanover, EUA. É formado em Belas Artes pela Universidade Nsukka da Nigéria, tem especialização em Estudos Museológicos e de Patrimônio pela Universidade do Cabo Ocidental, África do Sul, e Ph.D em História da Arte pela Emory University, Atlanta, Geórgia. Nzewi foi curador da Afrika Heritage Biennial na Nigéria (2004/2007), Transitions: Contemporary South African Works on Paper (“Transições: Obras Sul Africanas Contemporâneas no Papel”) no High Museum of Art, Atlanta, USA (2009), e cocurador da 11th Dak’Art Biennial (2014). Recentes publicações: The Individual and Community: Aesthetics of Blackness in the works of three Black British Artists, Critical Interventions (O Indivíduo e a Comunidade: A Estética Negra nas obras de três Artistas Britânicos Negros, Intervenções Críticas), No. 12 (2013), e The Contemporary Present and Modernist Past in Postcolonial African Art (“O Presente Contemporâneo e o Passado Modernista nas Arte Pós Colonial Africana”), World Art, Edição 3, No. 2 (2013). É coeditor de New Spaces for Negotiating Art (“Novos Espaços de Negociação da Arte”) e Histories, sobre iniciativas artísticas independentes na África.

 

EvaEva Scharrer é curatora e crítica freelance, e mora atualmente em Berlim. Desde 2014, trabalha para a Neuer Berliner Kunstverein, entre outras funções como pesquisadora da exposição histórica sobre a prática curatorial de René Block. De 2009 a 2012 foi Agente, Pesquisadora Curatorial e escritora da dOCUMENTA (13). Em 2007, foi cocuradora da 8th Sharjah Biennial, Still Life. Arte, Ecologia e Política de Mudança, nos Emirados Árabes Unidos. Foi curadora de exposições na Alemanha e Suíça e, mais recentemente, da mostra To Paint is to Love Again (“Pintar é Voltar a Amar”)(2013) na Deutsche Bank Kunsthalle em Berlim. Escreveu vários ensaios para catálogos sobre artistas emergentes e renomados, e contribui regularmente com periódicos internacionais de arte contemporânea como o Artforum e artforum.com, Frieze d/e, Modern Painters, Kunst-Bulletin, Spike Art, C Magazine, e /100 vonhundert.

 

YvetteYvette Mutumba (Alemanha) é curadora de pesquisa em África no Weltkulturen Museum, Frankfurt am Main. Mutumba é cofundadora da revista online Contemporary And (C&) – Plataforma para Arte Internacional a partir de Perspectivas Africanas. Estudou história e história da arte na Freie Universität em Berlim e tem Ph.D. por Birkbeck, University of London. Sua tese teve como foco a representação da arte da África e a diáspora no contexto alemão. Mutumba foi cocuradora, consultora de projetos e publicou inúmeros textos sobre questões ligadas às artes visuais da perspectiva africana, bem como tópicos ligados ao estado atual das coleções etnográficas.

 

SouzaSuzana Sousa (Angola) é curadora e escritora. Este ano, foi cocuradora de Sights and Sounds, Global film and Video no The Jewish Museum, New York, Tipo Passe, uma mostra solo do fotógrafo Edson Chagas, em Luanda, e Noise, uma mostra coletiva de artistas africanos com foco na rápida urbanização e suas respostas locais. Foi curadora consultora da Trienal do New Museum, 2015. Em 2012, foi cocuradora com Fernando Alvim e Simon Njami de No Fly Zone, uma mostra coletiva de artistas angolanos no Museu Berardo, em Lisboa. Suzana Sousa contribuiu com Contemporary&Art+AuctionsArtSouthAfrica Magazine e Arterial Network/ Arts in Africa e, atualmente, desenvolve o coletivo cultural Pés Descalços com um grupo de artistas angolanos independentes. Foi cocuradora da Trienal de Luanda, que irá acontecer em 2015.

 

ALYAAlya Sebti (Marrocos/Alemanha) é curadora independente, diretora artística da 5ª Bienal de Marrakesh (2014), e cocuradora de Mons 2015, Capital Europeia da Cultura. Foi curadora de várias exposições na África do Norte e Europa: Youssef Nabil: you Never Left (Casablanca 2011), o pavilhão marroquino na Bienal de Fotografia (Amsterdã 2012), Of Other Spaces Casablanca / Amsterdã 2013, e Equilibres / Augleisch, Berlim, Gallery Wentrup 2014. De 2012 a 2014, iniciou com Arte East um ciclo de mostras online de arte contemporânea em Marrocos, Argélia e Tunísia. Publicações mais recentes: Pas de Deux, Villa Romana (Fevereiro de 2014); POSITION Social Changes through Art in the Arab World (“POSIÇÃO: Mudanças Sociais através da Arte no Mundo Árabe”), (2014). É membro da diretoria da IBA – International Biennial Association e consultora em arte visual e iniciativas culturais na África do Norte.

 

Combiz Mousavi-AghdamCombiz Mousavi-Aghdam (Irã) é pesquisador de história da arte moderna, filosofia da arte e da ciência, e arte contemporânea iraniana. Tem doutorado em História da Arte e Estudos Visuais pela Manchester University desde 2009. Atualmente, é professor da Tehran Art University, e faz pesquisa no Comitê da Bienal da próxima Bienal de Teerã 2015. Uma de suas principais preocupações, tanto em ensino quanto em pesquisa, é desenvolver novos métodos de história da arte e aplicá-los ao contexto iraniano atual. Mousavi-Aghdam escreveu vários artigos, entre eles: Art History, National Art and Iranian Intellectuals in the 1960s (“História da Arte, Arte Nacional e Intelectuais Iranianos na Década de 1960”) em 2014 e Self as Other: Artist-Ethnographer in Contemporary Iranian Art (“O Eu como o Outro: Artista-Etnógrafo na Arte Iraniana Contemporânea”) em 2012.

 

Azar MahmoudianAzar Mahmoudian (Irã) é curadora e crítica independente, e reside em Teerã. Tem mestrado em teoria da arte contemporânea pela Goldsmiths, na Universidade de Londres. Ensina crítica e história comparativa da arte na Tehran Art University e, atualmente, faz pesquisa no Comitê da Bienal da próxima Bienal de Teerã 2015. Azar participou em 2014 do 8º Fórum Global da arte em Dubai e foi curadora de várias exposições e programas de seleção internacionais, como os programas de Cultuurcentrum Bruges; CAB, Bruxelas; SOAS, Londres; Blackwood Gallery e SAVAC, Toronto.

 

PatrickPatrick Mudekereza (Congo) é escritor e produtor cultural, e reside em Lubumbashi. Cofundou e dirige o Picha Art Center em Lubumbashi e é diretor de Rencontres Picha, a Bienal de Lubumbashi. Após estudar Química Industrial na Faculdade Politécnica da Universidade de Lubumbashi, trabalhou como administrador e curador de artes visuais no French Cultural Centre em Lubumbashi. Iniciou vários projetos de arte, como o coletivo de artistas Vicanos Club. É editor da revista cultural Nzenze e escreveu para muitas publicações e exposições, tanto nacionais como estrangeiras. É membro do Comitê Diretivo da Arterial Network (2009-2014). Em 2014, recebeu o Prêmio Nacional de Arte e Cultura, do Ministério de Cultura do Congo. É membro da diretoria da IBA – International Biennial Association.

 

KoyoKoyo Kouoh (Camarões/Senegal) é fundadora e diretora artística da RAW Material Company, centro para a arte, o conhecimento e a sociedade em Dakar, e curadora do FORUM, o programa de educação da Feira de Arte Contemporânea Africana 1:54, em Londres. Trabalhou como consultora curatorial da documenta 12 e 13, cocurou a bienal Les Rencontres de la Photographie Africaine em Bamako  (2001 e 2003), e colaborou em diversas áreas de atuação na Bienal de Dakar (2000-2004). In 2014, a Delegação da União Europeia no Senegal e o Ministério de Cultura do Senegal deixaram em suas mãos o desenvolvimento da reforma da Bienal de Dakar. Seus projetos recentes abrangem Condition Report on Building Art Institutions in Africa (“Relatório da Situação da Construção de Instituições de Arte na África”), uma coleção de ensaios que resultaram de um simpósio homônimo que ocorreu em janeiro de 2012 em Dakar, Word!Word?Word! Issa Samb and the undecipherable form (“Palavra! Palavra? Palavra! Issa Samb e a Forma Indecifrável”), (Raw Material Company/OCA/Sternberg Press, 2013).